Empresariado mantém o otimismo em BH

write-593333_960_720 (1)

Influenciado pela ampliação das perspectivas dos empresários do comércio varejista de Belo Horizonte em relação às condições atuais do cenário econômico e consequente retomada do consumo e de investimentos, o índice que mede a confiança do setor se manteve estável no mês de janeiro.

De acordo com o levantamento divulgado ontem pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Minas Gerais (Fecomércio-MG), o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) da Capital registrou a quinta alta consecutiva com 104,2 pontos em janeiro, 0,2 ponto a mais em relação a dezembro. A indicação de otimismo vem desde outubro do ano passado, quando o índice alcançou 100 pontos – considerado o nível de satisfação -, que se manteve até este mês. Na comparação com janeiro de 2017, quando registrou a marca de 88,2, o crescimento do Icec foi de 16%.

A analista de pesquisa da Fecomércio-MG, Elisa Castro, ressalta que a estabilidade em janeiro é considerada um bom resultado, já que mantém um aumento já esperado e alcançado no final do ano, devido ao aquecimento do comércio previsto pelas vendas de Natal e aumento da renda familiar em consequência do 13º salário. Segundo ela, de outubro a dezembro de 2017, o aumento do nível geral de satisfação do empresário teve como principal causa o Índice de Expectativa do Empresário do Comércio (Ieec), que se mantém acima dos 100 pontos apesar da queda de 139,5 em dezembro para 138,2 neste mês.

Em janeiro, no entanto, os outros subíndices que compõem o Icec apresentaram maior importância para o resultado do indicador de confiança. “Temos expectativas positivas para o comércio e isso influencia no índice geral, mas começamos a observar que outros fatores têm impacto na confiança do empresário. Eles apontaram que o comércio vive condições melhores, além de estarem mais aptos a investir. Consideramos que esses pontos avançaram pelo melhor resultado do comércio apresentado no último semestre de 2017”, afirma.

O crescimento do Índice de Condições Atuais do Empresário do Comércio (Icaec), que atingiu 79,7 pontos, 1,3 a mais do que no mês anterior (78,4), foi impulsionado principalmente pelas organizações com mais de 50 empregados, mostrando maior satisfação com as condições atuais da economia para o comércio.

Aportes – Já o indicador que reflete as intenções de investimentos, o Índice de Investimento do Empresário do Comércio (Iiec), fechou janeiro com 94,6 pontos, 0,6 ponto a mais do que dezembro e aponta que 58,1% dos empresários pretendem ampliar o quadro de funcionários. “No médio prazo, o empresário tem pensado em investir e uma das formas de fazer isso é contratar. O melhor desempenho do comércio conquistado no segundo semestre, que trouxe otimismo para o empresário, vai reverter, no médio prazo, no aumento do número de contratações no mercado de trabalho”, diz Elisa Castro.

(fonte: Diário do Comércio)

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *